Espaço para informação, reflexão e debate sobre História Geral e do Brasil com alunos, colegas e amigos.
Resumos, esboços, dicas e atividades.

A Era dos Castelos - Feudalismo

Idade Média – Período Medieval (séc. V – XV)
-Alta Idade Média (séc. V-X): formação e consolidação do sistema feudal.
-Baixa idade Média (séc. XI-XV): divide-se em duas fases: a fase de expansão da produção agrícola e renascimento comercial e urbano (XI-XIII) e a fase de contração, marcada por guerras, fome e a peste bubônica, dizimando ¼ da população européia.
Feudalismo – Sistema econômico, social, político, militar e cultural que prevaleceu na Europa Ocidental durante a Idade Média. O feudalismo se estabeleceu entre os rios Loire e Reno, na Europa Ocidental, conforme os governantes conquistavam territórios levavam o feudalismo para outros lugares. Com a invasão dos povos bárbaros as pessoas passaram a se refugiar em torno de castelos ou propriedades de terra, em troca de proteção passaram a trabalhar na terra, surgindo assim a servidão. Características:


•Propriedade territorial – concessão de feudos – terras, castelos e fortalezas. A maioria dos feudos eram propriedades rurais, mas havia também os castelos, neste caso o senhor feudal era chamado de Castelão e podia cobrar impostos, pedágio e agir como juiz.
•O sistema feudal constituía um contrato com obrigações mútuas. O suserano, (reis, duques, condes ou marqueses, possuíam terras concedidas por Deus), era o senhor que concedia a terra. E o vassalo aquele que recebia a terra e devia, portanto obrigações, principalmente militares.
•A terra não pertencia aos camponeses, mas aos senhores feudais. Esta era a base da sociedade feudal, o produto da terra não pertencia aos camponeses, mas aos senhores feudais. Outros meios de produção pertenciam ao servo e também ao senhor feudal.
•Cavalaria - homens armados, viviam em fortalezas e castelos, exploravam o povo e muitas vezes o aterrorizava.
•A economia é chamada de natural, sem padrão monetário, auto-suficiência produtiva em cada feudo.
Servo – encarregado da produção dentro dos feudos, diferenciava-se do escravo pois este era considerado uma coisa, uma mercadoria, o servo estava ligado a terra, não podia abandona-la, mas tinha direitos de homem livre, o senhor feudal não tinha poder de vida e morte sobre o servo. O servo também não era totalmente desprovido dos meios de produção. Suas obrigações eram:
-Corvéia: trabalho gratuito prestado alguns dias da semana nas terras do senhor feudal, podia ser na agricultura, construção, manutenção, etc.
-Talha ou derrama: tipo de imposto, parte da produção do servo que ele devia entregar ao senhor.
-Banais: taxas pelo uso das instalações do feudo.
-Tributo de casamento: pago quando se casava com alguém de outro feudo.
-Mão morta: taxa a ser paga pelos filhos, quando o pai morria, a fim de manterem o sireito de uso da terra.

Sociedade – era estamental, ou seja, não era possível a passagem de uma classe para a outra. Era composta basicamente pelo clero, os que oram, os religiosos; a nobreza, os que guerreiam, os senhores feudais e os camponeses, os que trabalham.
Cidades: cercadas de muralhas, haviam enormes casas dos nobres, imponentes complexos das igrejas. As procissões eram freqüentes, desfiles quando chegavam os príncipes, outro evento eram as execuções públicas.
A partir do século XI, há incremento da agricultura, revolução comercial e urbana e o estabelecimento de rotas marítimas. Mas, o que tornou a passagem da Idade Média para a Idade Moderna mais decisiva não foram as mudanças sociais (ascensão da burguesia0, políticas (fortalecimento das monarquias nacionais), econômicas (acumulação primitiva de capital), e geográficas (descoberta do Novo Mundo), foram as mudanças de mentalidade.

3 comentários:

Dan disse...

Oi Vanessa,

Adoro Idade Média e seus castelos, já postei sobre isso.

Abraços e bom final de semana

Anônimo disse...

oie, conheci o blog e achei o máximo!

Ana Beatriz disse...

olá voce me ajudou muito a fazer um trabalho de historia na escola foi de muito bom uso obrigada
bjs ana beatriz
11 de março de 2011